décimo andar

No meu cantar, você flutua dez andares
Se embrulha num cubículo de quatro paredes
Quando a noite cai, balança nessa rede
Até dormir, até raiar outro dia nos radares

Depois que passar o medo, vamos pra cozinha
Tenho gosto em medidas rasas e sonhos densos
Abro uma caixinha de músicas e guardo dentro
O que é eterno entra nessa casa que é minha

Tem um quadro de luzes pintando a janela
Tem mandalas nas portas e tempero na varanda
Pega o violão pra compor uma ciranda
Com entrelinhas, beijos e gérberas amarelas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s