grama

com aqueles olhos de comer fotografia
havia toda uma multidão
e tu
ponto azul errado no meio das cores
costurado com linha cru
o vento é só um pretexto
te deixa caminhar
pra onde houver uma janela aberta
pra cá
tem pessoas largadas às mesas
e copos se arrastando no saguão
que corpos são estes
celestes?
tu enlouqueces ao sol
pensando que viste brilhar os olhos
minhas pupilas escondidas
atrás desta fotografia
arranquei-te à força de um sorriso
e sem perceber me deste em troco
a mesma moeda de dentes
afiados na garganta
me tomando como posse de um olhar
engolindo todos os poros
me bebendo discretamente
enquanto brindam futuros
servem pedaços de sonhos
em pratos descartáveis
e os restos viram cenário
de um entardecer que chega
um pouco tarde

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s