hormônio

não quero saber que horas são

é hora em que o peito estoura
em que a vida entra em ebulição
em que o tempo corrói a gente, fazendo com que eu já não saiba como vim parar aqui

eu queria ser linear e simples
queria ser apenas morna e sem o risco do fósforo

sem o cigarro em cinzas
sem o gole voraz
sem o beijo que faz o mundo ruir

tem como ser menos ruína?

tem como não sentir tudo tão à flor da pele?
nem o bem nem o mal?
nem o rancor nem o perdão?
nem o amor nem a insignificância?

quero aprender a não me entregar no gozo limpo com sangue
a ser menos eu mesma em chamas e ardil
a fluir sem tanta velocidade e curva de rio

mas
não
sei
eu
sou
isso

eu sou essa vontade
até de ser mãe e
até de ser amada
mesmo que só de manhã

ouço e canto

com o fundo da alma
com o eco das dores
com a pele
com a boca
com as unhas
com o gosto amargo

e também doce

tento não ser essa febre
tento não ser essa pólvora
tento não ser tempestade

mas gosto é do vento
que fustiga e rasga

de repente
choro
porque
volto
a ser um

mundo
inteiro
por dentro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s