próxima estação

quando eu voltar pro rio
será como antes
vou pousar num poema
suspirar e acender meu cigarro
fingir que não fui alvo
na calçada da lapa
vou passar pelo samba
sem sambar descalça
ir à praia sem me desnudar
e voltar de metro

quando eu voltar pra sampa
será como antes
vou pisar nos meus versos
chorar e acender meu cigarro
fingir que não fui ambulante
vendendo arte na paulista
vou atravessar o sinal
sem beijar com meus olhos
ir ao cinema sem pagar
e voltar de metro

quando eu voltar pra casa
não será como antes
vou correr pela praça
suar e acender meu cigarro
fingir que não fui tola
me enganando de propósito
com beijos de olhos fechados
descendo a escada rolante
vou desembrulhar meu peito
esvaziar a caixa toda
e voltar, sem bilhetes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s