prato do dia

na mesa de todos os quereres
eu me sirvo horrores
encho a boca
me entucho
que mal hei de mastigar
que mal hei de engolir
pra te beber com gosto
pra te tomar com gozo

sem respiro
porque não há de se sentir mais nada
o fim do desencontro é uma morte
no prato feito dos corpos
arroz e feijão é sexual

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s