pouso

quando eu te beijava, voava longe
quando longe ia,
de você, queria
era pousar na sua boca

quanto mais alto o vôo, maior a queda
disseram

se eu caí foi na armadilha
de achar que o perigo era
andar pela contramão
mas o perigo veio
foi de pousar no beijo
e cair em contradição

quando se cai de amores
até o pouso se torna queda

Publicado em: poesia | Marcado como:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s