cânions de escápulas

a gente faz música com as asas das borboletas
e os ruídos dos grilos na madrugada
e o atrito dos panos de fora e de dentro
e a pele de dentro e de fora
temperatura epidérmica
enquanto tem neblina
todos os medos embora
vou colar meus dedos nas digitais
na carcaça, nos escombros, nos solfejos
com apenas três acordes
você me devora e eu acordo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s