bola oito

entrei num espiral
como se vida viesse redemoinho
subi ao segundo plano
onde se fez esconderijo

demorei-me sobre a pia
queria ter dormido ali mesmo
podia ser sepulcrada no banheiro
pra não precisar vomitar depois

cheia de náuseas

uma espera de um liquidificador
abri a porta esperando um vazio
pra me deitar sobre a mesa
jogar minhas dores nas caçapas

mas sorriso traiçoeiro me roubou
do plano de ir embora em silêncio
pescou minha nuca no outono
fui fisgada pra ser alvo de suas flechas

cheia de náuseas

não houve jogo entre sinucas
o seu abraço era tormenta
quem dera houvesse uma caçapa
onde eu cairia ilesa do seu olhar

ali atiramos nossas flechas
nossas farpas e espinhos rasos
olhando fundo nos olhos raros
fingindo se reconciliar

cheia de náuseas

eu me escorri meu corpo
pela escada e porta afora
estava líquida e afogada
sem choro sem voz sem bilhar

do meu fetiche se fez um drama
do meu desejo roubou a cena
podia ter me jogado sobre a mesa
mas preferiu rir dos meus amores

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s