rua sacramento

desculpa eu preciso falar sobre essa rua
mas não aquela rua da canção de ninar
que eu mandava ladrilhar
com confete de carnaval
a rua que eu atravessei correndo
em mil almoços corridos que você pagou
aquela que tinha uma travessa
onde os fotógrafos saem procurando
casais pra perseguir enquanto tomam café
aquela cafeteria com a livraria junto
nunca paramos pra conhecer
mas voltamos mil vezes por ali
naquele restaurante de pedreiro
com seus potes de doce de leite
eu atravessei a rua certa noite
como quem sabe o caminho
já sabendo o caminho pra boca dele
e o caminho de volta pela manhã
agora reabriram um bar temático
onde os garçons te chamam por milady
e monsenhor com taças de vinho
nós teríamos passado tantas noites
bebendo e fingindo ser nobres
numa época antiga e medieval
cantando até cantigas fictícias
eu atravessei aquela rua onde você morou
mas subi para o quarto andar
acendi meu cigarro e fiquei na janela
nua e olhando a rua solitária
como eu fiquei solitária me vendo passar
atravessar mil vezes aquela rua
e chegar do outro lado afinal
sem você pra me assombrar
com sua casa demolida
onde construirão outro edifício
para amantes se amarem no quarto andar
como se fosse sacramento
como essa rua que não era minha
nem mandei ladrilhar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s