erosão de piche

preciso é falar da noite com nuvens
não de estrelas nem luas cheias
eu me interesso é pela rua em que
[ o asfalto acaba
parece que dá em lugar nenhum
como a maioria dos amores modernos

exceto que há raras ruas em que
[ o asfalto acaba
[ e dá lugar à terra

a gente se desloca no eixo urbano
um movimento quase magnético
e respira onde tem rua em que
[ o asfalto acaba
que o progresso é mato:
ouço a Salma cantando sem parar
a canção escrita para raros aventureiros
[ que se embrenham à natureza viva
ainda não inventaram uma arte capaz de pintar a natureza viva

as heras crescendo nas marginais
a erosão da terra na cidade de piche
que brando cinza
a terra grita:
eu que mando flores
[ ou folhas
[ ou rachaduras
sem nem ver a rua se abre ao meio
e eu aqui com o coração na boca

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s