fenda

quando dobraram o tempo
um gesto torto tomou prumo
fui içada pela fenda astral
corredor de anos-luz
abertura aguda dos olhos
a finitude
em razão da velocidade
colamos um no outro
pela tangente gravitacional
nosso corpo que acelera
até o microcosmo do beijo
no recorte vazio onde há silêncio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s