Mande seu áudio aqui

A série “Mande seu áudio aqui” nasceu a partir de situações da vida real.

No episódio piloto, Sofia acabara de se divorciar, quando resolve dar uma festa de aniversário e reunir todas as pessoas legais que conhecia para comemorar aquele novo momento em sua vida e virar a página. O que era pra ser uma festinha, acaba sendo palco de muitas trapalhadas e confusões entre pessoas que não se conhecem. Diana, que é sua aluna, sofre de desilusão amorosa por outro convidado e acaba tomando um porre e mandando áudios para as pessoas erradas.

Após muitas confusões envolvendo bebedeiras demais e nenhuma censura, outras alunas de Sofia acabam se tornando amigas e abrindo um grupo num aplicativo de chat na intenção de controlar o que Diana faz com o celular nas mãos. Porém a amizade que nasce dali é muito mais do que sentar pra jogar conversa fora e aquelas mulheres na beira dos 30 passam a se apoiar verdadeiramente em suas jornadas pessoais.

O drama da geração millennial envolve luta por direitos, frustração profissional, relacionamentos volúveis, crise política, problemas psicológicos, descobertas sexuais e drama familiar. Essa comédia não se restringe a situações tão banais quanto parece e o resultado disso pode ser lindo ou um tanto desastroso. Mas o que será que tem de mais incrível na vida do que encontrar a sororidade nos pequenos detalhes?

Sofia, 29, é instrutora de pilates e prestes a terminar seu mestrado. Após seu conturbado divórcio e uma viagem a Cuba, resolve dar uma festa de aniversário, convidando seus amigos e alunos para celebrar uma nova fase de sua vida.

Ju, 28, acaba de abandonar um mestrado em Psicologia para ser chef de cozinha. Volta para sua cidade natal, morando em um hostel por um mês até encontrar um apartamento. Está à procura de um restaurante para estagiar. Não imagina que ao voltar para sua cidade fará ressuscitar antigos traumas familiares. Quem segura essa barra com ela é Wagner, o gato.

Helena, 27, é a gerente do hostel local.No momento está tentando concluir seu curso de Psicanálise para clinicar, no entanto nunca se sente preparada. Desconta sua ansiedade desfrutando do sexo em boa parte de seu tempo livre, inclusive nos intervalos de almoço, explorando todas as diferentes possibilidades de ser solteira. Se apaixonar nunca é um fator a ser considerado.

Diana, 27, é uma artista frustrada, que mora com Helena e trabalha em uma secretaria da Universidade. Sua personalidade forte e intempestiva faz com que ela tenha grandes ideias e promova projetos de arte, sem nunca terminá-los. O fracasso profissional a torna uma figura depressiva e intensa, fazendo de seus relacionamentos um grande show de horrores e dignos dos áudios mais bizarros que sua vida boêmia permite.

Lili, 30, é professora universitária e acaba de começar seu doutorado. Por fora, uma mulher séria e reservada, por dentro uma eterna junkie. De esquerda e feminista, percebe estar vivendo um relacionamento abusivo e luta para se livrar dele. 

Tara, 25, é uma cantora e divide a casa com Lili. Sua presença é impossível de não ser notada e ela sabe usar bem sua carisma para conquistar todos à sua volta. De preferência os homens. Depois de travar uma grande decepção com sua família e passar por dificuldades financeiras, ela busca realizar o sonho de gravar seu primeiro álbum, mas há quem tente atrapalhar seu sucesso e estragar sua imagem.

Melissa, 28, é cientista e trabalha no desenvolvimento do maior acelerador de partículas do mundo. No entanto, após um golpe político, muitas estruturas governamentais entram em colapso e ela acaba perdendo seu emprego. Sem perspetiva profissional, ela se vê novamente perdida e encontra na dança o consolo para prosseguir.

As sete nada tem em comum, a não ser a grande confusão que é a vida real, capaz de promover situações dignas de dar pena ou grandes gargalhadas. Mas bebendo um pouco a mais e usando a tecnologia todas elas acabam se envolvendo em um grupo digital para compartilhar seus dramas e as ironias que a vida adulta lhes obriga.

Mande seu áudio aqui, título dado a um chat particular, gerou um grupo de apoio via gravação de áudio e, neste grupo, mulheres reais encontram umas nas outras um novo significado para amizade, que vai muito além de dividir a mesa do bar.

A ideia de transformar a própria vida em episódios de comédia em série surgiu após aquelas situações em que pensamos “se a minha vida fosse um sitcom, hoje é season finale” ou “esse roteirista só pode ser sádico”.

Todas as situações da série são verídicas e tem autorização prévia dos envolvidos retratados, estando isentos de sua real identidade por motivos de privacidade. Histórias reais sobre mulheres reais, sem cortes e sem eufemismos.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s