correndo com lobos

como uma fera
eu ataquei seus instintos mais agudos
meus dentes afiados no pescoço
minha mordida voraz
sua quase morte
empírica

como um bicho
eu avancei em sua pele de cordeiro
te desnudei em carne e osso
mordi seu pedaço de vida
e almocei suas tripas

como um monstro
eu cacei suas insanidades
dilacerei seu extremo desejo
de permanecer sangue
na minha boca

como uma fêmea
eu dominei suas inconstâncias
despi minha pele de lobo
surgi animal em mim
natureza original
entregue

como canibais

te comeria pelas bordas
mas em vez de te experimentar
abro-te e arranco todas as tripas
eu que nunca fui muito de bucho
precisei me deliciar na sua carne crua
pulsar o sangue na boca
e ser predativa aos dentes

te fiz comida
em cada arroubo
em cada mordida
ficamos animal aberto
sobre a mesa